Amor Imenso. Os Mórmons completam 15 anos

9/3 · Por HBO · Leitura de1 min.

Reveja este clássico da televisão na maratona de 15 anos da HBO, com Bill Paxton, Amanda Seyfried e mais.

Big Love – Imenso Amor. Poligamia, Mórmons e Histórias Cruzadas. Reviva esta grande série em seu 15º aniversário.

Em março de 2006, a série Amor Imenso estreou na HBO. Sex and The City, revolucionária série que começou a ser exibida em 1998, havia terminado há dois anos, após seis temporadas de sucesso. A série A Sete Palmos (Six Feet Under), outro grande sucesso, havia sido concluída em 2005, apenas sete meses antes da estreia de Amor Imenso. Em junho de 2007, uma das séries mais representativas da HBO, Família Soprano (The Sopranos), seria encerrada, também após seis temporadas. Amor Imenso tinha uma grande responsabilidade e hoje é considerada uma das melhores produções do canal, cheia de temas intrigantes, drama de primeira e excelentes atuações.

A série trouxe, no papel principal, o saudoso Bill Paxton. Seu personagem, Bill Henrickson, era um cidadão respeitado de sua comunidade e proprietário de uma bem-sucedida rede de lojas de artigos domésticos. A questão é que Bill tinha um grande segredo: na realidade, nosso homem não tinha apenas uma esposa, mas três, e cada uma carregava seus respectivos filhos. Só um dos casamentos era reconhecido legalmente, devido ao fato da poligamia ser ilegal. Uma das filhas de Bill foi interpretada por ninguém menos que Amanda Seyfried, no papel de Sarah Henrickson, a filha mais velha do casamento legal de Bill.

Bill acreditava no Livro de Mórmon, um dos quatro livros seguidos pela Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias, também conhecida como a Igreja Mórmon. É importante ressaltar que a dita Igreja, em declarações públicas, deixou claro desde o início da série, que o casamento poligâmico era proibido em suas crenças. Mas também é verdade que existe um ramo separado, fundamentalista, e não considerado legítimo pelo primeiro, que pratica a poligamia. Na verdade, na série, Bill e sua família também tiveram que esconder até de outros mórmons a sua situação particular para não serem denunciados.

Bill morava em casa com sua primeira esposa (Jeanne Tripplehorn), a cônjuge legalmente reconhecida. As outras duas esposas (Chloë Sevigny e Ginnifer Goodwin) viviam nas casas vizinhas, se passando por mães solteiras. Deve-se notar que a poligamia pode ser entendida como um conceito cultural, vindo de tradições religiosas antigas, enquanto o chamado poliamor é uma ideia muito mais contemporânea, sem ligação com preceitos religiosos, definido por acordos entre os membros e geralmente não necessita de cerimônias ou contratos como os de um casamento tradicional.

A série fala tanto das crises da meia-idade masculina e do drama das personagens femininas, ao mesmo tempo tratando de temas como família, amor, sexo e feminilidade, todos tópicos relevantes à vida contemporânea.

Por seu trabalho em Amor Imenso, Chloë Sevigny ganhou o Globo de Ouro de melhor atriz coadjuvante em televisão, e seus criadores, Mark V. Olsen e Will Scheffer, ganharam o Writers Guild of America Award em 2007.

Em março, veja ou reveja as cinco temporadas, com um total de cinquenta e três episódios, de Amor Imenso, nessa maratona especial para comemorar o décimo quinto aniversário desta série incrível. A série também pode ser assistida na HBO GO.

  • Copiar Enlace