Estreia de Crime e Desaparecimento em Atlanta

8/5 · Por HBO · Leitura de3 min.

A HBO apresenta, Atlanta's Missing and Murdered: The Lost Children (2019), uma série documental com cinco capítulos que explora os assassinatos de 29 crianças afro-americanas ocorridos em Atlanta, Geórgia, entre 1979 e 1981.

Atlanta, a cidade de Martin Luther King e da Southern Christian Leadership Conference

Naqueles anos, Atlanta havia se transformado no local ideal para a vida e a prosperidade das comunidades negras. Tradição naqueles lados também existia. No século XIX, após o fracasso da Secessão, o estado da Geórgia, importante centro algodoeiro e escravagista, acolheu uma boa quantidade de antigos escravos e abraçou os ideais libertários do momento. Desde então, a integração dos cidadãos negros  tornou-se um lema de vida no estado e na cidade. Em meados do século XX, Atlanta foi um marco fundamental na luta pelos direitos civis; ali nasceu, não nos esqueçamos, o pastor Martin Luther King. Foi ali também que King e outros ativistas fundaram a Southern Christian Leadership Conference, organização protagonista do movimento político dos cidadãos negros. Em 1973 a cidade teve seu primeiro prefeito afro-americano, o democrata Maynard Jackson Jr. No entanto, sob aquele impulso igualitário, continuava existindo o racismo e a pobreza. A Ku Klux Klan ainda percorria as ruas e a porcentagem de famílias afro-americanas de recursos escassos era significativa. Nos bairros pobres, a delinquência e a falta de vigilância estavam na ordem do dia.

 

Atlanta e as 29 crianças desaparecidas

No início de Atlanta's Missing and Murdered: The Lost Children, o diretor Samuel D. Pollard nos apresenta aquela que foi conhecida como "a cidade muito ocupada para odiar". Crescente, próspera, aberta ao bem-estar da comunidade afro-americana, Atlanta também contava com o segundo mandato do seu prefeito negro. Mas, longe das áreas da acomodada classe média, nos bairros de periferia, estava acontecendo algo muito estranho: crianças afro-americanas desapareciam sem deixar rastros e, semanas depois, eram encontradas mutiladas debaixo de pontes ou nos bosques. As famílias fizeram queixas às autoridades, mas ninguém lhes dava atenção. Os políticos faziam vista grossa, o prestígio da promissora cidade não podia ser posto em risco. Além disso, quem tinha interesse nas mortes de algumas crianças afro-americanas de classe baixa? No entanto, um grupo de mulheres, liderado por Camille Bell, mãe de uma das crianças assassinadas, tomou para si a tarefa de exigir justiça para seus mortos. Houve especulações, também se falava de operações da Ku Klux Klan, de seitas religiosas e, inclusive, de grupos de pedófilos (a pornografia era uma indústria poderosa em Atlanta). Até a década de oitenta, os cidadãos afro-americanos, fartos de não serem escutados, haviam se organizado em grupos de busca e proteção (alguns bastante violentos). Com o caso já convertido em escândalo nacional, o FBI fez sua aparição. Os agentes foram à caça de um culpado imediato e o encontraram: um jovem afro-americano, fotógrafo e com pretensões de ser um produtor musical chamado Wayne Williams. Aparentemente, sob o pretexto de seguir uma carreira musical, Williams recrutava suas vítimas. O fato de ele ser o assassino ainda hoje é questionada. Muitos consideram que ele foi o bode expiatório perfeito daquele crime.

 

A reconstrução do caso das crianças de Atlanta

Atlanta's Missing and Murdered: The Lost Children se detém nas provas e nas dúvidas em torno de Williams, e constrói a história criminal através de entrevistas com familiares das vítimas, detetives e agentes do FBI aposentados que estavam no caso, jornalistas e ativistas da época, além de nos apresentar documentos judiciais e imagens de arquivo inéditas até o momento. Assim, o mérito de Pollard não está apenas em se aprofundar no caso e questionar a culpa de Williams, mas também em nos fazer compreender a profundidade da dor humana dos familiares e o grande marco social e político de uma cidade complexa como Atlanta naqueles anos tão ricos e cheio de nuances na história dos Estados Unidos.

 

Produzida por John Legend com a direção de Samuel Pollard

O cantor, compositor e ator John Legend vem há anos produzindo não apenas música, mas também séries de televisão, filmes e documentários. Foi o produtor executivo da bem-sucedida La La Land (2016) de Damien Chazelle, que ganhou seis prêmios da Academia, entre eles o de Melhor Filme. Desta vez, Legend produz para a HBO, Atlanta's Missing and Murdered: The Lost Children, acompanhado, neste caso, por Samuel D. Pollard na direção.

Pollard é um experiente cineasta que dirigiu e produziu uma ampla variedade de documentários. Seu interesse mais pessoal é a história afro-americana, quase sempre no contexto da luta pelos direitos civis. Em 1998 foi indicado ao Oscar de Melhor Documentário como produtor de 4 Little Girls, trabalho dirigido por Spike Lee que investiga a morte de quatro meninas afro-americanas no atentado supremacista que explodiu uma igreja batista em 1963. Também junto com Lee produziu When the Levees Broke: A Requiem in Four Acts (2006), a minissérie documental sobre a infeliz resposta do governo norte-americano ao furação Katrina, com a qual obteve o Emmy de Melhor Edição de um programa de não ficção. Cabe destacar que em 2018 também recebeu o Prêmio da plateia no Festival de Cinema de Atlanta por Maynard (2017), uma pesquisa biográfica sobre o primeiro prefeito afro-americano da capital da Geórgia. Justamente Maynard Jackson Jr. estava no exercício de suas funções quando começaram a ser notícia os assassinatos das crianças.

 

Curta em maio a série documental Atlanta's Missing and Murdered: The Lost Children, na HBO e na HBO GO.

  • Copiar Enlace

Assine a HBO

Não fique de fora. Aproveite a programação do momento.

Eu quero HBO!