Coringa, o vilão mais conhecido de Gotham chega à HBO

1/1 · Por HBO

A partir de julho, a HBO apresenta um dos filmes mais aclamados dos últimos tempos. Coringa, filme dirigido por Todd Phillips que mudou a maneira como vemos o vilão mais famoso do Batman e acabou dando mais notoriedade a Joaquin Phoenix.

Coringa nos apresenta o Universo DC mais realista do que nunca

Coringa deixou todos surpresos. Já se sabia que algo diferente estava por vir, mas ninguém esperava que as origens do arqui-inimigo chegassem aos extremos do realismo em um filme cheio de momentos difíceis e trágicos. O filme está muito relacionado com o novo cinema americano, também chamado de Novo Hollywood, herdeiro do neorrealismo italiano, do Free Cinema (Cinema Livre) britânico e da Nouvelle Vague francesa, que viu o surgimento de vários diretores que hoje são lendas do cinema mundial, como Arthur Penn, Francis Ford Coppola, John Cassavetes, Robert Altman, Dennis Hopper, Brian de Palma e Martin Scorsese, entre outros. Esse cinema, embora exibisse uma grande riqueza em sua temática ao longo de cada geração de diretores, tinha uma forte tendência realista, preocupada com questões sociais e desenvolvimento dramático de seus personagens dentro desse contexto.

O cinema contemporâneo, por sua vez, gosta de se vangloriar de tradição e homenagem. E assim encontramos no Coringa referências à Nova Hollywood, particularmente aos filmes de Scorsese, onde os mais óbvios são Taxi Driver (1976) e O Rei da Comédia (1982).

Assim, Phillips nos apresenta um trabalho altamente realista, que lembra muito Scorsese, com uma ponta de crítica social e profundidade psicológica. Arthur Fleck é um personagem massacrado pela pobreza e pela doença, um ser medíocre em um mundo cruel que nunca deixa de exigir a anulação de todos aqueles que não podem se dar ao luxo de buscar dinheiro e sucesso. Porque no final, isto é o que parece ser importante para o personagem: o bem-estar e a fama que levam a essa felicidade plena.

Arthur Fleck, também conhecido por Coringa

Fleck quer ser um comediante. Ele se apresenta como um palhaço patético enquanto se prepara para o dia em que, segundo ele, será levado ao estrelato por suas piadas como um comediante de stand-up. Sua risada, que ele não pode controlar porque está à mercê de uma condição que afeta seu cérebro, surge mais facilmente quando se encontra em situações que o deixam nervoso. Sua gargalhada é mais um grito desesperado do que uma risada. Não há alegria possível para Fleck. O mundo exige isso dele, mas ele não pode dar, ele não sabe como. Sua vida pequena e patética não se encaixa nessa felicidade imposta a ele. Golpe após golpe, Fleck se tornará o que ele não quer ser. Ou seja, seu drama, sua tragédia nos levará a uma transformação: o nascimento do Coringa.

Joaquin Phoenix interpreta o Coringa

Joaquin Phoenix, um dos nomes mais consagrados de Hollywood dos últimos anos, nos oferece o que parece ser a performance memorável da sua vida (na verdade, ele venceu o Oscar de Melhor Ator por isso), entre uma série de outras atuações deslumbrantes. Muito se esperava de sua interpretação, não apenas por seu talento comprovado, mas também porque, na memória recente do público, especialmente os fãs do Batman e do Universo DC no cinema, Heath Ledger havia sido aclamado por interpretar aquele Coringa sinistro e delirante que criou o inferno em Batman - O Cavaleiro das Trevas (2008), de Christopher Nolan. Na verdade, Ledger recebeu um Oscar póstumo de Melhor Ator. Em outras palavras, dois atores foram recompensados ​​pela Academia por terem entrado na pele do vilão supremo do Batman. Mas Phoenix não só tinha a sombra de Ledger atrás de si, mas também, não menos importante, a de Jack Nicholson, que interpretou o Coringa no Batman de Tim Burton (1989), que deu início à ambição de Hollywood de levar os filmes de super-heróis ao nível das grandes produções de bilheteria, e em certos aspectos, também a grandes direções, um espaço no qual Burton, Nolan e agora Phillips foram os que deixaram suas marcas pessoais.

E assim, Joaquin Phoenix enfrentou um desafio real e, sem dúvida, sua genialidade no campo da atuação o levou a interpretar um personagem com nuances complexas. De qualquer forma, para Phoenix, o desafio era de natureza diferente: ele teria que incorporar o Coringa, sim, mas além do Coringa, Arthur Fleck e sua descida ao inferno. É ali, naquele personagem que ainda não é o Coringa, que Joaquin mostra o seu potencial atuando de forma intensa e trágica, muito diferente da de Nicholson e Ledger, e isso, sem dúvida, faz a diferença com os demais Coringas.

Robert De Niro, o rei da comédia

Acompanhando Phoenix nesta difícil façanha está Robert De Niro, um dos grandes atores de nossos tempos e, que ainda hoje é um dos favoritos do Scorsese e, nesse caso, o protagonista de dois dos filmes que inspiraram a direção e até mesmo a história de Phillips. De Niro é Travis Bickle, o estranho e paranoico taxista em Taxi Driver, e Rupert Pupkin, o comediante fracassado que sequestra um apresentador de um programa de TV (Jerry Lewis) em O Rei da Comédia. Desta vez, Robert De Niro não é o comediante, mas Murray Franklin, o apresentador de um Talk Show de sucesso. As aspirações e sonhos de Fleck estão focados nesse programa e na figura de Franklin, quase paterna para Fleck.

Todd Phillips, além da comédia

Todd Phillips deixou muita gente sem palavras com este magnífico filme sobre o Coringa. Ele era, sem dúvida, mais conhecido pela trilogia de comédia Se Beber, Não Case! (2009, 2011, 2013). Mas se examinarmos cuidadosamente o trabalho de Phillips, descobrimos que o diretor de fato explorou o lado sombrio da alma humana. Seu primeiro trabalho, um documentário intitulado Hated: GG Allin and the Murder Junkies (1993), investiga a vida de uma figura marginal atormentada, o cantor punk GG Allin, que se destacou por sua rebeldia e performances de palco bizarras. Phillips também foi o produtor executivo de A Grande Ilusão (2006), um filme dirigido por Steven Zaillian. Com uma forte carga política, o filme toca na corrupção do poder, do amor, da culpa e da redenção. Até suas comédias geralmente se originam do lado sombrio da condição humana e acontecem em ambientes de crise e situações extremas. Não é de se admirar que ele tenha surgido com este projeto. Phillips também afirmou que nestes tempos de politicamente correto, a comédia não é o melhor caminho, que hoje em dia é quase impossível fazê-la sem ofender muitas pessoas. No entanto, o diretor estava disposto a continuar, mas sem abandonar a irreverência que o define: assim ele decidiu tirar um personagem dos quadrinhos e dar-lhe uma reviravolta inesperada. O resultado: indicações e prêmios em todas as premiações possíveis, incluindo uma indicação ao Oscar nas categorias de Melhor Diretor e Melhor Filme, e Oscar de Melhor Trilha Sonora e Melhor Ator, neste caso para o incólume Joaquin Phoenix.

A partir de julho, Coringa, um dos melhores filmes dos últimos anos, na HBO e HBO GO.

  • Copiar Enlace

Assine a HBO

Não fique de fora. Aproveite a programação do momento.

Eu quero HBO!